Você sabia que a doença periodontal é a maior causa de perda de dentes em adultos, afetando três em cada quatro pessoas em algum momento da vida?
O que é doença periodontal?
O periodonto é o conjunto de tecidos que sustentam o dente (gengiva, ossos e fibras que ligam a raiz do dente ao osso).
Os restos alimentares depositam-se no sulco da gengiva e são colonizados por bactérias preexistentes na boca, causando uma inflamação no local; esta inflamação causa destruição dos tecidos em volta do dente.
Com o avanço da doença, há um deslocamento da gengiva em contato com os dentes, originando as bolsas periodontais. Estas facilitam ainda mais o acúmulo de placa bacteriana, acarretando uma destruição dos tecidos de sustentação dos dentes. Se o tratamento não for instituído a doença progredirá até a perda do dente.
Qual o tratamento da doença periodontal?
Consiste em remoção periódica da placa bacteriana e do tártaro que causam a inflamação.
Como posso saber se tenho a doença periodontal?
Os sinais são: sangramentos na gengiva, alteração na posição dos dentes, mobilidade, retrações gengivais,retenções de alimento, inchaço e alteração de cor da gengiva.
Existem medicamentos indicados para o tratamento?
Não é possível o tratamento somente com medicamentos, sejam estes locais ou sistêmicos. A placa bacteriana aderida ao dente tem que ser removida em consultório.
É possível prevenir esta doença?
A melhor maneira de prevenção da doença periodontal e perda dos dentes são por meio de escovação, uso do fio dental e visitas regulares ao dentista para avaliações periódicas.
Você sabia:
Em estudo publicado no “Journal of Periodontology” em novembro de 2001, pesquisadores demonstraram que em pessoas diabéticas, a periodontite pode afetar o controle da glicemia. Além disso, a doença periodontal parece ser um fator de risco em pacientes gestantes, que podem ficar mais propensas a parto prematuro e nascimento de bebês com baixo peso. Especialistas ainda estão terminando estudos que visam comprovar a relação da doença periodontal com derrames cerebrais, doenças cardíacas e respiratórias.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *